sexta-feira, 26 de janeiro de 2007

Brazucofobia

Há uma questão primordial, uma dúvida que muitas vezes assalta o espírito conturbado de um fantasma e que provoca acesas discussões entre os seus amigos imaginários: afinal, qual é o país que tem as gajas mais boas do mundo, assim no geral, tipo, em cada dez, nove são boas e a outra é mesmo muita, muita boa? As opiniões dividem-se. Apesar de nunca qualquer empresa de sondagens se ter debruçado à seria sobre o pertinente assunto, russas, ucranianas, húngaras, suecas, holandesas, inglesas, francesas, espanholas, estão entre as mais mencionadas.
Sobre esta problemática tenho uma máxima: o país com as mulheres mais bonitas do mundo é aquele onde estivermos naquele momento. Daí o constante suplício em que vivemos nos, espíritos lúbricos... Na cidade, na rua, no centro comercial, na discoteca, no quarto, por aí fora, é sempre onde estamos, que estão as mulheres mais bonitas do mundo. Há no entanto uma excepção… Considero que existem inúmeras actrizes de telenovela brasileiras facilmente rotuláveis de ‘gajas boas’. Na minha adolescência, como qualquer adolescente normal da minha escola, apaixonei-me pela distante Sandrinha da minha turma e simultaneamente pela Bruna Lombardi e pela Maitê Proença. Sou daqueles que naturalmente entram em transe quando vêem aqueles corpos anatomicamente arrojados onde se verificou uma mistura geneticamente perfeita entre sangue europeu e sangue índio da amazónia, a sambarem no Carnaval, a rebolarem verticalmente no écran de televisão de uma forma que mais corpo nenhum do mundo consegue rebolar. Considero que a ‘bunda’ brasileira deveria ser considerada património mundial da humanidade. Cheguei a ponderar comprar um bilhete na Varig de ida-e-volta no mesmo dia só para ver o programa de TV da saudosa e iconográfica “Tiazinha”…
Mas a realidade é que a mulher comum brasileira, no geral, é disso que estamos a falar, é feiazita! Eu nunca fui ao Brasil mas faço esta polémica afirmação apoiado nos relatos deprimentes de amigos que já foram e depois vieram desapontados e sem os relógios de pulso. Reforço a tese com a observação minuciosa que tenho efectuado às brasileiras com que amiúde me cruzo no dia-a-dia nas carreiras suburbanas dos transportes públicos.
No entanto, a brazuca comum (‘brazuquis emigrantis’) que facilmente encontramos em Portugal a servir numa qualquer churrascaria ou em qualquer bataclã, não deixa de exercer um enorme fascínio no portuga comum, dado o seu elevado IF (Índice de Fodabilidade). A brazuca compensa o seu visível deficit de beleza e graciosidade com uma elevada IHPC (Incrível Habilidade Perfomática na Cama) e ao mesmo tempo uma impressionante TCN (Ternura Carinhosamente Naif), características aparentemente contraditórias mas que estabelecem um equilíbrio energético nos dois principais chacras do incauto portuga que até então se limitava a acompanhar a sua esposa à missa todos os domingos, aproveitando para deitar timidamente o olho à catequista. Se há portanto coisa de que não se pode acusar o portuga comum, é de só dar valor à beleza exterior. Não senhor, não tem nada a ver com a beleza, nada disso, é algo de mais profundo. Tem mais a ver com aquilo que o corpo da mulher, belo ou não, é indiferente, é capaz de fazer. Para o portuga a beleza não tem rosto, tem corpo e quanto mais funcional melhor. E aqui as brazucas estão como enguias na água, onde a eloquência proverbial também é um dos seus pontos fortes. Atente-se o quão poderosas podem ser as palavras “vem cá meu bem, vem que eu faço um cafuné p´ra oncê” na boca duma brazuca... (trad.: “vinde até mim meu querido, vinde que vos farei uma qualquer sevicia sexual de que tão cedo não vos esquecereis”). Só de pensar causa arrepios.
Não é qualquer mulher que faz um homem. Mas uma brazuca faz-lhe a cabeça, de certeza, e depois faz-se à vida. Pode achar-se caricato o levantamento popular d' “As Mães de Bragança” contra as hordas de brazucas que então infestavam a noite de trás-os-montes, notícia na internacional Times que apontava o ermo local como a nova "Red Light District" europeia. Por umas semanas fomos então o povo mais xenófobo da Europa…
Percebia-se a inquietação daquele mulherio fatela e beato porque de facto muito lar se tem desfeito, muito poder paternal se tem regulado, por culpa das famigeradas brazucas. Conheço pessoalmente um caso. Encontrei o tipo um dia destes no LIDL acompanhado não da mulher e do filho, como já o encontrara varias vezes anteriormente, antes acompanhado da muié e da nova mamãe entretanto mandada vir directamente das profundezas do Ceará. Carregava com uma saca de 20 kilos de comida para cão, ele que sempre odiara cães… Receio que, da próxima vez, o encontre apenas acompanhado do carrinho de compras… e do cão.

3 comentários:

ambar.amarelo@emailDoGOOGLE.que.nao.vou.divulgar.por.spam disse...

Ao ler seu texto não fiquei assim tão ofendido, afinal beleza está relacionada à cultura e cada povo tem a sua (com algumas coisas em comum é claro).

O que me ofendeu realmente foi ver as próprias Brasileiras aqui se esforçando para dizer: "vejam eu não sou Nordestina, eu sou do sul, eu tenho ascendência Alemã e Italiana", isso é ridículo, como se o fato de ser da Paraíba ou ser mestiça, implicasse em ser feia.

Sou de Natal, Rio Grande do Norte, estou pouco me lixando para qual é minha ascendência (não sou como esses complexados do Sul que tentam a todo custo mostrar que são mais Europeus que Brasileiros), considero que em minha terra tem muita mulher bonita e de todo tipo, mas é como você falou: o lugar onde tem as mais belas mulheres é o lugar onde estamos :)

Outra coisa que me deixa triste é ver essa troca de farpas, Brasileiros e Portugueses chamando uns aos outros de pobres, se ofendendo, também considero isso um complexo de inferioridade.

Antes de acabar meu comentário não posso deixar de mostrar minha indignação com a imagem que o Brasil exporta de suas mulheres, é sempre o esteriótipo da vagabunda semi-nua dançando alguma nova dança da moda que mais parece ser um ato sexual. Isso é muito triste, é coisa de país de terceiro mundo.

Espero que meu país possa um dia crescer e modificar o esteriótipo negativo de seu povo.

No mais saudações Brasileiras à todos os falantes da Língua Portuguesa.

evelynmotta@yahoo.com disse...

LEITORA COM E-MAIL FALSO ESCREVEU: (resposta no fim)

Bem realmente a única coisa que teu texto pode transmitir, é uma visão estereotipada de algo que tu não conheces, bem como a amiga ali falou, o Brasil é fruto da mais variada imigração, essa imagem de mulher mestiça e vadia... pela liberdade de viver no imaginário europeu da ‘pseudofloresta’= Brasil, não passa de uma ilusão inventada por pessoas interessadas em ganhar dinheiro com o turismo sexual em meu país, se aproveitando de mulheres de classes miseráveis sociedade ( infelizmente em sua justa maioria,o que não é regra, de ascendência - negros e índios).
Nenhuma mulher crescida na subnutrição, sem estudo, vivendo de um salário mensal mínino ( que pode ser a janta de um cidadão europeu comum, não do português é claro, que é o filho pobre da Europa) pode ser bonita – sem dentes, sem boas roupas, sem cuidados, e com 3 filhos aos 22 anos de idade.
No entanto não é esta mulher que se encontra nas universidades, nos bons bairros dos grandes centros urbanos (coisa que um Português jamais vê em sua terra só nas fronteiras de seus vizinhos..rs ), nos shoppings de compras, nas casas de shows, ou nas boas praias país (não Porto Seguro, o mundinho esquecido do país, destino tão assediado pelos portugueses, afinal Riviera de São Lourenço ou Angra dos Reis não é para quem quer ....e para quem pode).
E certamente não é esta mulher que atende nos balcões dos lugares que tu freqüentas.
E para sua informação o Brasil não se resume imigração portuguesa mestiça, eu sou um exemplo disso, pois sendo minha família sulista meus avós maternos são alemães, e paternos são italianos- Ora penso eu... que tenho eu haver com este estereotipo ridículo!, sou brasileira, e me orgulho disso assim como minhas amigas de ascendência oriental que são brasileiras também (aliás o Brasil comemora hoje 99 anos da imigração japonesa no Brasil - mais tu pobre português desinformado e inculto provavelmente nem sabias disso a fazer sua análise do ‘padrão brasileiro’ de beleza), aliás se formos analizar o padrão de beleza mundial...eu embora braseira ( que engraçado!)me encaixo no muito mais, que suas queridas raparigas portuguesas....e seus famosos bigodinhos pretos.....rsrsrsrsrs bem até as minhas lindas amigas mulatas ganham nessa........
E quanto a sexo cada pessoa tem o comportamento que bem lhe entende independente de sua nacionalidade, afinal o que eram as boas católicas senhoras portuguesas que se deitavam com escravos de senzala pelo mato dando origem aos nossos mulatos?
Um conselho:Informe-se mais antes de colocar opiniões públicas na internet afinal estudo nunca fez mal , ainda mais agora com a União Européia para que suas mulheres conterrâneas não estejam nos balcões alemães e inglesses e nem você engraxando os sapatos deles- porque as mulheres deles que estão sobre a suposta “preferência”- para ti é que não são.

Coragem para escrever tu tens e para prevalecer os comentários em tua página?

Lembrança dos ensolarados 8.511.970 Km2
de mulheres e realidades diferentes
Lembrança dos


___________________________________
RESPOSTA
esta resposta foi remetida por mail. mas como veio devolvida, fica pública:

"Bom dia, ou boa noite, whatever...
Já escrevi este post "brazucofobia' há muito tempo, já fechei o blog,
tenho um novo, mas julgo que não será pertinente a ilustre leitora
saber qual. Afinal, é apenas mais um sub-produto lusitano saido de alguém
"inculto".
Vamos lá ver... não escrevi nenhuma mentira no post. É curioso que
diga que há pessoas a querer vender a imagem a mulher mestiça e vadia...
na realdiade o que o brasil tenta vender é telenovelas e mestiças
esculturais em cima de carros de samba. Mas o que vemos, a realidade, é bem
diferente. Nós não tentamos vender nada. Aliás, Portugal é muito mais
comprador e receptor da vossa mercadoria estragada e da pior qualidade
(vide telenovelas, religiões e emigração da pior espécie). Mas só veêm
para cá porque há procura. Ora isto sim, é preocupante, não o bigode das
portuguesas, por sinal há muito banido das nossas ruas.
Não sei como se comportam aí os emigrantes lusos. Mas imagino-os
quase todos comerciantes, tentanto explorar oportunidades de negócio que
vocês aí não sabem aproveitar. Aliás, é reconhecido por toda a gente, o
Brasil podia ser o pais mais rico do mundo. É o mais corrupto. Vocês têm
recursos naturais e dimensão. Dimensão, só a das vossas favelas. Nós
somos uma formiga mas temos ingenho e estamos aí, a controlar as vossas
telecomunicações, a vossa energia electrica, a produzir carne,
cerveja...
Não quero fazer disto nenhuma guerra, mas, cingindo-me ao meu post,
apnas constatei em ´tom irónico o que se passa na realidade com as
emigrantes brasileiras, que de facto têm estragado muito lar (que se calhar,
admito, já estava estragado e precisava de uma ajudinha). Mas é como
tudo, é a imagem que conta. O bigode das portuguesas e a rasquice
brasileira que recebemos.
Cumprimentos.
Fantasma prevertido

PS: já agora, se reparar nos consumos per capita de comunicações
móveis, de ecrans de plasma, de automoveis, de internet, eoutros bens de
consumo, verificará que há muito que deixamos de ser o filho pobre da
europa.
PS2: Há um ditado que diz que Deus criou os brancos e os pretos, e os
portugueses, os mestiços. Portugueses, no masculino, claro. Não sei
onde foi buscar essa ideia romantica de haver senhoras portugas a irem
para cama com os indios daí.
PS3: Só retirei um unico comentário uma vez, de um brasileiro ordináro que me
chamou nomes porque eu falei umas verdades sobre o Paulo Coelho. Por
faalr nisso, nem sei bem se até esse comentário retirei... O que lhe quero dizer
é que todos os comentários são bem vindos e publicados, como o seu."

Ariadne disse...

COMENTÁRIO DE LEITORA COM E-MAIL FALSO:
(não foi possível responder-lhe pessoalmente. O blog que indicou existe.)


Teu texto é bom, porém tu és maniqueísta. Talvez por só conheceres poucas brasileiras, ou mesmo por ter o imaginário coletivo que infelizmente meu país cria para as brasileiras. Imaginário este que luto constante e inutilmente para acabar. O Brasil é um país muito grande, e como deves saber, a população é fruto de quase todo tipo de imigração. Bruna Lombardi e Maitê Proença provavelmente não têm sangue indígena algum. Por aqui tem brasileira bonita, brasileira feia, brasileira mais ou menos, brasileira boa de cama, brasileira puta ou brasileira beata. Tem de tudo, dependendo da região que você conhecer, vai encontrar diversos tipos físicos, intelectuais e por aí vai. E tem regiões, muitas até, infelizmente (para os turistas, e felizmente para nós)pouco divulgadas, onde seus relógios europeus estariam a salvo dos trombadinhas. Meu relógio por exemplo, nunca foi roubado. Eu nem sou tão boa de bunda, e nunca iria para Portugal atender balcão. Sei sambar mas não saio quase nua na escola de samba, não gosto de carnaval ou vim do Ceará. E também não gosto tanto assim de cães. O Brasil é mais diversificado do que podes imaginar.
E, sinceramente, impossível decidir pela mulher ou homem mais bonitos do mundo. Se levarmos em conta o que a mídia nos apresenta como bonito, as loiras de olhos azuis serão certamente as escolhidas. Mas que pobre seria esse padrão de beleza, e que facilmente manipulados somos nós, que deixamos que as revistas de pesquisa nos digam o que temos de achar belo. Enfim! Só minha opinião.

Saudações Brasileiras.

Ariadne